O povo

Mukurruza - Lichinga

  
                            (A um povo humilde por aí…)
I
Maldito tempo difícil,
Soam balas encravadas nas paredes,
Acordam banhadas de sangue no rosto.
É terrível sacrificar se pela humanidade escolhida!
II
No irreparável cuspo da guerra,
Há um denomino que lhes enche
De tristezas e lágrimas
De caras secas e pálidas!
III
De suor nudez
Deita (se) milhares pelo avermelhado chão.
E tudo em volta fica encarnado!
IV
Pátria se atormenta
E de baixo de sol escaldante
Vai o povo sonhando liberdade!



___________________________________
Mukurruza, cresceu na terra dos seus pais (Quelimane) onde moldou a sua vida e a maneira de sentir as coisas que formam o homem (Dor, Amor, Paixão)
A paixão pela literatura encaixa-se no novo milénio, publicou vários poemas, contos e crónicas em jornais e rádios.
Colaborador de vários jornais da cidade lichinga membro de direcção do (CEPAN) Clube de Escritores poetas & amigos do Niassa.
Costa na colectânea de poesia, (Noite Amanhecida) publicada em 2009. E ainda membro fundador do movimento ‘’Gincana de arte lichinga’’

publicado por Revista Literatas às 07:20 | link