Procuro-te

De: Ruth Boane – em Tete

                              Não sei ao certo a quem procuro
                              Vejo ondas a levarem-me para bem longe
                              Tudo que quero é sair desse mar obscuro.


                              Procuro-te...
                             Em tudo o que é lado
                             Em todas as entranhas do mundo meu
                             Aquele que só meu Deus me deu.
                        
                             Ah, procuro-te!
                             Em tudo o que é canto,
                              Em todos os oceanos,
                              Em todos os ramos científicos,
                              Em todas maravilhas do meu mundo.


                              Ah, o meu coração está mudo!
                             
                               Se ele pudesse falar
                                Toda a verdade me diria
                               
                               Todos os mistérios do mundo meu desvendaria
                               A todos caminhos claros me conduziria.


                              Procuro-te...
                           Nos mais belos jardins
                            Nas mais lindas obras literárias.
                         
                            Procuro-te...
                         Sem nunca te ter visto
                         Sem nunca te ter toucado
                         Sem nunca te ter imaginado.


                        Procuro-te...
                     
                        Nas mais verdadeiras verdades
                       Nos maiores mistérios dos misteriosos mistérios.


                      Procuro-te...
                Não sei onde te posso encontrar
                 Até quando vou ficar nesse obscuro sentimento?
                 Sei que encontrar-te-ei
                  Não sei quando
                  Não sei onde
                  E sei nem como


                      Ah, eu desse jeito lamento
                       Isto virou agora um tormento.


                        Procuro-te...
tags: ,
publicado por Revista Literatas às 06:02 | link