A morte da poesia

De Francisco Júnior

A poesia morreu…
Ficaram somente palavras,
Algumas guerrilhando,
Outras de mãos estendidas mendigando,
Outras nas lembranças
Do tempo glorioso,
Quando a poesia era um grande meio
De divulgação de sentimentos e verdades.


Não sei o que faço com as palavras,
As recém nascidas,
As envelhecidas com as suas bengalas,
Pois nem direito a pensão da velhice tem,
Com as jovens,
Pois estão sem emprego.
Ninguém quer saber delas,
Pois a poesia morreu.

A fábrica da poesia faliu
Por falta de clientes,
Demoliram o mercado das palavras.


Alguns analistas
Justificam a falência
Com a crise mundial dos idiomas
Outros com a globalização.

Surgiu um novo negócio
Vender a grosso a embriaguês.
tags:
publicado por Revista Literatas às 04:26 | link