Epigramas do novo livro “o livro dos epigramas & outros poemas” do escritor Cláudio Portella


Epigrama cinco 
                                      meu lado cotidiano tenta-me a ver a luta.
                                      e o outro, o que ler cecília, me faz desligar a tv.
                                      filmes de luta. por que será tão importante dar porradas
                                      uns nos outros? o belo e o feio. o escritor e o boxeador.
                                      a flor e a lama. paradoxos enchem o saco.
                                      me entendi por gente vendo televisão.
                                      e o fazedor de doido persegue-me.
                                      agora mesmo vejo-o a mostrar-me dois homens trocando
                                      socos. mas o que me assusta de verdade e constatar
                                      outros homens divertirem-se com isso.
                                      sim. paradoxos enchem.
 
Epigrama oito 
                                      espere tudo de cinco mulheres conversando.
                                      obscenidades. elas emanciparam-se.
                                      tornaram-se fortes, corajosas e opressoras.
                                      queremos mostrar poder, porém, dez de nós,
                                      conversando, não chega perto de cinco delas.




 
Epigrama dez 
                                      extraterrestres existem.
                                      enquanto escrevo,
                                      estou sendo ameaçado por um.
                                      ele quer me levar para casa.
                                      me dar carinho e atenção.
                                      diz que o cazuza tá lá.
                                      onde eu não sei.
                                      não me disse nada.
                                      também nada perguntei.
                                      tenho pouco tempo para escrever.
                                      eu não vou, não vou, solta, já disse que não vou, porra!  
Epigrama treze 
                                      quando criança, minha irmã colecionava figurinhas
                                      do álbum amar é. nas figurinhas vinham frases
                                      sobre o que é amar.
                                      lembro uma:
                                      amar é ficar sempre ao lado da pessoa amada.
                                      sempre. nunca fazê-la sofrer. nunca.
 
Epigrama quinze 
                                      se quer me comer: coma!
                                      se quer trepar sem camisinha: trepe!
                                      se quer furar o sinal, o velho sinal: fure!
                                      se quer dá uma porrada num preto,
                                      por ser preto: dê!
                                      se de madrugada quer botar o som bem alto: bote!
                                      se quer ir para a itália: não vá!
                                      pois estou só.
                                      tão só, como eu.

 
Epigrama dezanove 
                                      li que três milhões de pessoas foram ao fortal.
                                      três milhões é a população da cidade.
                                      e eu necessitando com urgência encontrar alguém,
                                      alguém especial.
                                      alguém que não tenha ido ao fortal.
                                      alguém que acerte os ponteiros ao meu.
                                      alguém para consolar
                                      o profundo mal estar,
                                      o estado terrível,
                                      chamado:
                                      so – li – dão.
 
Epigrama vinte 
                                      ouço canções piegas
                                      que falam de solidão,
                                      de amor, de reencontro,
                                      de flores.
                                      canções prediletas dos meus pais.
                                      e tudo é tão bom,
                                      como perceber formas obscuras
                                      na claridade da manhã.
 
Epigrama vinte e um 
                                      estou pirocando.
                                      e cada vez mais dispirocado.
                                      acho tudo esquisito.
                                      sou muito ansioso e agitado.
                                      drogado e depravado.
                                      mas me queira bem.
                                      me queira bem.
                                      queira bem.
                                      bem.
                                      be.
                                      b.
                                      .
Epigrama vinte e três 
                                      não duvido que jesus cristo
                                      nos dará uma vida eterna.
                                      a dúvida é para que serve vida eterna.
                                      a morte deveria ser uma chance
                                      de começar tudo de novo.
                                      oportunidade para consertar as besteiras,
                                      os arrependimentos.
                                      consolar peso na consciência,
                                      dor de cotovelo.
                                      em vez de comer do pão
                                      e beber do vinho,
                                      que tal café com pão?
                                      tome o cotidiano
                                      em doses curtas.
                                      como quem bebe pinga. 
tags: ,
publicado por Revista Literatas às 03:05 | link