Reza, Maria

Suam no trabalho as curvadas bestas
E não são bestas
São homens, Maria!

Corre-se a pontapés os cães na fome de ossos
E não são cães
São seres humanos, Maria!

Feras matam velhos, mulheres e crianças
E não são feras, são homens
E os velhos, as mulheres e as crianças
São os nossos pais
                                             Nossas irmãs e nossos filhos, Maria!

Crias morrem à mingua de pão
Vermes na rua estendem a mão à caridade
E nem crias, nem vermes são
Mas aleijados meninos sem casas, Maria!

Do ódio e da guerra dos homens
Das mães e das filhas violadas
Das crianças mortas de anemia
E de todos os que apodrecem nos calabouços
Cresce no mundo o girassol da esperança

Ah! Maria,
Põe as mãos e reza
Pelos homens todos
E negros de toda parte
Põe as mãos
E reza, Maria!

Um dos Poemas da obra "Maria" de José Craveirinha
publicado por Revista Literatas às 03:35 | link