Que Vergonha!

Autor do artigo
David Valente - Maputo
Que vergonha de viver,
De viver, neste mundo tão diabólico
Onde cada um luta?
Mas será que pela paz e contra a pobreza absuluta
Ou para (erriquecimento elicito) sobreviver 
Que vergonha de ser (especie) Humano,
Onde o poder dum estado
Não é (espírito patriótico) união.
Mas sim a produção de armamento
Para por todos, ser respeitado
Como (forte) nação
Eu suplico e lamento. 
Mas que vergonha, que vergonha!
Que vergonha, meus Deus, de ser Jovem!
Onde o Livro (literatura) é subistituido pela (tele) novela
Onde a juventude esta acorentado pelo dinheiro
Prostituição, Alcool, Droga, e outros produtos estupafacientes
Para a busca da alegria instantanéa.
Que imagem deixarão pra os próximos. 
Que vergonha de viver nesta sociedade
Onde a verdade
Tão pura e forte como ele é,
Perde espaço pela mintira, falsidade e currupção
Que ate atinge os pontos mais sagrados... 
Que vergonha da minha africadade
Graça ajuda da mídia, facilmente me esqueço da minha identidade
A cultura africana é  impirica
Para que ja esta a mergulhar no inculturação ocidente 
Onde vimos o contraste:
Quanto mais o elevado nivel da ciencia atingir
Mais organizado será  (seu crime) sua empresa
Porque o objectivo é  ajudar (roubar) aquele que não tem. 
A palavra “FAVORITISMO” devia subistituir “ ganho por mérito próprio”
No vocábulo da nossa sociedade.
Cada segundo perco os sentidos da minha podre juventude. 
In “valente, por nome e por caracter”
tags: ,
publicado por Revista Literatas às 04:38 | link | comentar