RECOMEÇO


De: Pedro Du Bois - Santa Catarian, Brasil

Sou remanescente, lado avesso
ao desconhecimento. O oposto ao corpo,
luz. A bravura da ovelha, o cão guardando
O rebanho. Recomeço.

Habito terras desprezadas e me faço estéril
pensamento. Guardo a palavra.

Sou vento impreciso e ágil
sobre a cobertura. Espalho a poeira
e a misturo entre lajes.
tags:
publicado por Revista Literatas às 07:56 | link | comentar