Noites da Minha cidade

 

Jessemusse Cacinda - Nampula 

Nampula
 
São longas noites
Que passo aos sonos moribundos
Me desespero no açoite
Daqueles que têm fundos
Passo! Versos de amor
Escrevendo
E versos de dor
No papel pintando
Utopias metafísicas
Acompanham as veias poéticas
Que me levam a não dar ouvidos
As críticas Platónicas
Muikhwiris(1) rondando a minha palhota
Voando na peneira para qualquer frota
Prostitutas sem medo circundam
matador (2) e de carro em caro saltitam
É tempo de fazer dinheiro
Que é o bem supremo
Pelo mundo inteiro
Outros roubam, outros agridem
E sobre o corpo de outrem, outros se estendem
E eu, rico de tanta pobreza
Confesso os pecados que cometi durante o dia
Com coragem e frieza
Escrevo esta poesia
____________________________________ 
(1)   Feticeirio em Emakhuwa, língua de nampula
(2)   Nome do meu bairro


publicado por Revista Literatas às 04:02 | link | comentar