Pear

De: Eduardo Quive - Maputo

À largura do horizonte
Ao ângulo da meta,
À razão do destino,
Acordado com vontade

(raiva, medo, pressa, ansiedade, entusiasmo)

Tudo mesma coisa,
Afrente é que é o caminho,
Os troncos que se cuidem.
É a metáfora do pensamento.
tags: ,
publicado por Revista Literatas às 07:05 | link | comentar